Usuario :
Clave : 
 
 administrador
Manual del administrador


 Secciones
Ediciones anteriores
Premios- Distinciones
Muestras/Arte
Entrevistas- noticias culturales-histórico
Lecturas
Ensayos - Crónicas
Educación/Universidad
Sociedad
Diseño/Moda/Tendencias
Fotografía
La editora
Medios
Sitios y publicaciones web
Narrativa policial: cuentos, ensayos, reseñas
Sumario
Música
Teatro/Danza
cartas
Cine/Video/Televisión
Entrevistas- Diálogos
Servicios
Noticias culturales- archivo
Espacio de autor
Prensa
Artista invitado
Entrevistas
Fichas
Algo de Historia
Blogs de la Revista Archivos del Sur
Cuentos, poemas, relatos

ARCHIVOS DEL SUR

 Inicio | Foros | Participa
Buscar :
Estás aquí:  Inicio >>  Cuentos, poemas, relatos >>  O Cão, ou Eu, por Alan Miranda, desde Brasil
 
O Cão, ou Eu, por Alan Miranda, desde Brasil
 

Noite.
Tô andando,
pensando na vida
e no quanto estava atrasado para o ensaio.
Cantarolando alguma coisa
que não era português
e nem eu mesmo entendia.
Aí,
acontece:
vejo em plena calçada,
cinco pessoas em volta de um cão.
Atropelado.
  O Cão, ou Eu

Noite.
Tô andando,
pensando na vida
e no quanto estava atrasado para o ensaio.
Cantarolando alguma coisa
que não era português
e nem eu mesmo entendia.
Aí,
acontece:
vejo em plena calçada,
cinco pessoas em volta de um cão.
Atropelado.
Já haviam jogado água nele
e estava meio sentado,
meio em pé.
Ofegava e olhava a todos
com cara de susto e interrogação.
Ao que tudo indicava
Ele morreria dali a pouco tempo.
Pedi espaço.
Talvez por isso o cachorro me olhou
e tentou, de onde estava,
me cheirar assustado.
Foi aí que eu percebi
que ele não conseguia andar,
e estava sangrando,
mas não dava para saber
de onde o sangue saía.
Ficamos nos olhando um tempinho.
Eu e o cão.
Última vez que vi um olhar assim,
(olhar em que você do nada se reconhece)
me apaixonei.
Por um momento tive a impressão
de saber mais coisas sobre a vida.
Lindo.
Olhar de quem quer viver
e ver no outro a via disto.
Logo a mim.
O que eu poderia fazer?
Eu tinha um ensaio.
Eu estava duro.
Não conhecia ninguém que me ajudasse
a levar o bicho para um veterinário naquele momento.
Ninguém pararia o carro
para ajudar um vira-lata quase morto.
Pensei em levar ele para casa
e mandar todo mundo do ensaio se fuder.
É.
Mas a turma lá de casa
me declararia louco
se me visse entrando porta a dentro
com um cachorro do meu tamanho,
todo sujo de terra,
ensangüentado,
levando-o para o meu quarto
e dizendo que era para ele morrer em paz.
Mas, o danado,
continuava apenas a me olhar.
E a balançar o rabo...

Fui para o meu ensaio.

Duas horas depois,
voltando para casa,
rua vazia,
me deparo com ele de novo.
Ainda vivia.
Continuava sangrando.
Agora mais deitado e ofegante.
Acho que ele já me olhava desde longe.
Ficamos um em frente ao outro.
Vi os carros passando.
Vi meu ensaio na memória.
Vi os olhos do cachorro.
Que agora, com certeza, eram os meus olhos.
Poucas vezes na vida olhei alguém assim.
E muito pouco fui olhado também.
Estava diante de um momento
importante da minha vida.
Se eu tentasse salvar aquele animal,
que ninguém ligava ou se importava,
que era apenas um cachorro
(mas que, de alguma forma, era eu),
compraria uma briga com tudo o que me dava medo.
Compraria briga com o impossível.
Agora era apenas o som do bar à distância,
dos carros passando
e o cão.
E eu.
Me abaixei.
Mais olhares.
Mais rabo balançando.
- Me desculpe... Não consigo. Ninguém entenderia. É
quase madrugada. Não tenho grana para te ajudar. Não
tenho força. Não sei nem quem eu sou para impor a sua
vida. Que é importante para você e para mim... Mas
parece que só nós dois não basta...
Ele era só dor e rabo em balanços.
Me levantei. Dei as costas.
Andando, fui deixando o cachorro morrer,
mas sabia que, ao deixar aqueles olhos,
deixaria também o que de mais essencial existia em
mim.
Por mais louco,
infantil
e besta que fosse.
Ele morreria
e eu,
simplesmente, não conseguia salvá-lo.
Não era o primeiro,
nem seria o último a aparecer na minha frente.
Ainda me perguntei quantos cachorros
eu já havia deixado morrer.
E quantos nem eram necessariamente cachorros.
Ainda olhei pra trás e ele,
ainda me observava,
e ainda balançava o rabo.

O cachorro morreu.

Os cachorros,
às vezes,
não aparecem na forma de cachorros,
e os olhos,
às vezes,
não são olhos.
Mas sempre,
em algum momento,
algo te propõe,
algo te chama,
para você ser você.

Salve seus cachorros.


(c)Alan, o Miranda.
www.alanmiranda.blogger.com.br
______________________
Sobre el autor: Ver Galería de Escritoras y Escritores en Archivos del Sur


 
 
Diseño y desarrollo por: SPL Sistemas de Información
  Copyright 2003 Quaderns Digitals Todos los derechos reservados ISSN 1575-9393
  INHASOFT Sistemas Informáticos S.L. Joaquin Rodrigo 3 FAURA VALENCIA tel 962601337